Pular Navegação (s)
16/12/2019

CAMINHANDO NO COMPASSO COM MARIANA MAGALHÃES COSTA

Hoje, 16/12/2019, na Livraria Travessa, acontecerá a sessão de autógrafos com Mariana Magalhães Costa, escritora do livro No Caminho, No Compasso. A autora e arquiteta concedeu com exclusividade à Editora Oficina Raquel, via e-mail, uma entrevista falando um pouco sobre seu blog, sua carreira e pequenas curiosidades sobre sua vida pessoal. Confira:

EOR: Quando você começou a escrever no seu blog, que dá origem ao livro No caminho, no compasso, com quem você desejava falar? 

MMC: Eu criei o meu blog em 2011, quando eu passei alguns meses morando em Paris. O nome original do blog ("le sixième au 7ème") fazia referência ao meu endereço na época. Foi um momento em que eu tive a oportunidade de visitar muitos projetos de arquitetura que eu conhecia apenas por desenhos ou fotografias. Percebia que no local nós sempre somos surpreendidos de alguma forma pelo resultado construído. Decidi começar a escrever relatos a partir da minha experiência. Eu nunca pensei em um público alvo especificamente, mas acho que os textos falam com os amantes de viagens e de arquitetura de modo geral. Os textos não são muito técnicos - falam mais sobre as minhas impressões - então é uma leitura fácil, que qualquer um pode apreciar.


EOR: Você consegue viajar e esquecer o seu compasso, ou seja, não ficar atenta às construções sob uma perspectiva profissional de arquiteta? 

MMC: Quando eu viajo para um destino de beleza natural, eu consigo deixar o olhar profissional  um pouco de lado  mas, sempre que eu viajo para centros urbanos, eu pesquiso antes os marcos arquitetônicos mais relevantes para não deixar de conhecer.


EOR: Você está com um exposição agora, como é o encontro da Mariana arquiteta com a Mariana artista plástica? 

MMC: Além do blog e dos projetos de arquitetura, eu desenvolvo uma prática artística. Eu vejo essas atividades como complementares. A arte me ajuda a buscar soluções mais criativas nos meus projetos de arquitetura, enquanto a arquitetura me incentiva a explorar a relação entre arte e espacialidade. Eu estou atualmente participando de uma exposição coletiva chamada "na zanza", que segue aberta até final de fevereiro 2020 na Galeria Aymoré, no Rio de Janeiro.


EOR: De todos os lugares que visitou, onde você gostaria de voltar?

MMC: Uma cidade que me marcou muito e que eu gostaria de voltar é Berlim. Eu visitei a cidade pela primeira vez com uma professora de arquitetura e urbanismo e isso influenciou muito a minha percepção sobre o lugar. É uma cidade com uma história muito presente, mas muito contemporânea ao mesmo tempo.


EOR: Para finalizar, se você tivesse que sempre visitar um lugar, que lugar seria este?  

MMC: Se eu só pudesse visitar um lugar, eu acho que seria a Itália pois é um destes destinos que concentra um pouco de tudo - natureza, arte, arquitetura, cultura, história e boa gastronomia.

 

Adquira já, No Caminho, No Compasso